-->

domingo, julho 20, 2008

Acho Que Morro

Acho que morro se não mais te vejo,
E se não mais tiver sua mão na minha.
Minha vida só depende do teu beijo,
Que já era doce desde quando o tinha.

Acho que morro sempre à noitinha,
Pois lembro dos gemidos, do arpejo,
De histórias que contava sem bocejo;
Dizia: tu não sabes... adivinha!

Acho que morro quando, sem por que
Trazes sereno, todo o encantamento
Da mesma forma leva-o daqui.

E é como morte a vida que se vê...
Quando tudo se esvai num só momento,
Levando-me pra bem longe de ti.

6 comentários:

PORTAL FJ O BLOG disse...

Poesia demais... parabéns Maira!

Sammyra Santana disse...

eita amor grande esse!

Lindo poema!

Beijo e feliz dia do amigo

paticabral disse...

moçaaaaaaaaa, feliz niverrrr, tudo de bom, e amei o textoooooo, beijocas

Ariana disse...

legal o texto xDD

beijos ;**

http://cogumelosverdes.blogspot.com

www.manufaturanova.blogspot.com disse...

Muito forte!

Thadeu Wilmer disse...

Seu blog não era o do post de cima no tópico da comunidade, mas eu não pude deixar de comentar isto aqui.

Você não sabe o quão bom é descobrir não ser o único ser humano do mundo a ainda fazer sonetos!
Parabéns, senhorita. Continue-os.