-->

sexta-feira, março 11, 2011

Quem sou eu?

Eu tinha todo o tempo do mundo, sabe? Podia viver várias vidas, se quisesse, e foi o que eu quis! Mudei de nome, mudei de cara, de corpo, mudei de amigos de infância, de idioma, de idade, de cor de pele, do cabelo também, de hábitos e manias, mudei meus tiques e cacoetes. Mudei forma de pensar, estilo, músicas prediletas, mudei de homens (várias vezes), fiz com que também mudassem. Me mudei muito mais que eles, acreditem. Transformei crenças e valores, perdi muitas e... Cá estou. PERDIDINHA.COM. Quem foi o cretino que propagou "viva o momento" pelo mundo? Quem foi o imbecil, sem coração, que pregou "deixe a vida te levar"? Meu Deus, se eu pudesse voltar... Se eu pudesse ser jovem outra vez e com todo o tempo do mundo outra vez, juro que viveria somente a minha vida. Faria tudo diferente, foda-se! Faria tudo mais depressa, com foco. Foco, menina! Foco! Sempre ouvi isso e só agora entendo a importância. FOCO, PORRAAAA!!!! Ah, focaria lá, no futuro e seguiria sem me desviar, sem tropeçar, sem olhar pro lado, sem esbarrar nas distrações, sem parar pra papear, tomar um drink, dormir até tarde ou o dia inteiro, ficar de bobeira na praia, ler livros fúteis, ver filmes vazios, enfim, sem perder tempo. E agora o meu (tempo) está no fim. É o fim dos tempos, como se diz desde que nasci e, pra mim, agora mais do que nunca.

O futuro chegou.

E o pior é saber que, mesmo podendo fazer tudo diferente, corro o risco de chegar no mesmo lugar.

3 comentários:

Lally disse...

Super me enverguei nesse post. ;~~

Edilene Guilhermina disse...

Olá maria charken boa noite tudo bem aqui é a Atriz:Edilene Guilhermina de salvador Vejo muito meus amigos falarei de vc aqui na bahia adoraria conhece vc um dia bjos Deus abençõe vc

Fanzine Episódio Cultural disse...

DEDICADO À UMA VOZ

Voz que encanta
Que cura
Que apazigua minh´alma
-Não permitas que te calem

Tu emanas o canto
Que silencia as sereias
E diante do espelho as faz corar.

Voz que ouço e que atendo:
És musa, deusa e talento
Inspiradora do meu ego
Defensora dos meus julgamentos

Tu és como o mel – suave e doce
Mas, enfurecida,
És firme e forte como o fel

Sem pedir entraste em meu poema
Disfarçando-te em versos.
Contida estas entre palavras
E ao subjetivar-me... te admiro!

*do livro (O ANJO E A TEMPESTADE ) de Agamenon Troyan